O desafio de Administrar: o primeiro ano da gestão Vinicius Camarinha
dez 2013 25

O primeiro ano da administração Vinicius Camarinha está terminando sem apresentar novidades à sociedade mariliense, contrariando assim a maioria das promessas da campanha eleitoral. Ao não propor as mudanças profundas aguardadas pela população logo no início da gestão, devido à combinação de falta de capacidade técnica, de trabalho árduo e de vontade política, Vinicius Camarinha aceitou que a vanguarda do atraso se reagrupasse para exigir dele um alto preço para garantir a sua sustentação política. Traiu a população em favor dos políticos profissionais.

Infelizmente, o prefeito optou por consolidar uma hegemonia no poder da Prefeitura de Marília de longa duração para manter tudo como antigamente. Exatamente aquilo que a população não queria. A desculpa para nada fazer é a de que herdou do governo anterior uma série de problemas financeiros e estruturais, os quais inviabilizaram uma gestão mais efetiva. O que é verdade. Entretanto, o Prefeito foi eleito para resolver esses problemas. A população votou em Vinicius Camarinha confiante de que receberia dele no governo a tão propalada capacidade administrativa. Até o momento ninguém viu ela em ação na Prefeitura. A realidade é que ganhar eleição é fácil, difícil mesmo é administrar. E a administração não é um ato de mister simpática. Muito menos uma arte!

Administrar é coisa séria. O administrador público precisa ser capaz de combinar capacidade técnica, expertise política e, principalmente, sensibilidade com as pessoas, com as suas necessidades básicas. Capacidade técnica para transformar os problemas coletivos em bons projetos visando solucionar situações de dificuldade. Expertise política para convencer pessoas chaves a apoiar esses projetos em um contexto democrático e transformá-los em meta coletiva sem ter que dar “incentivo$”. E sensibilidade com as pessoas porque toda a administração deve estar voltada para a solução dos problemas delas (educação, saúde, segurança, renda mínima, transporte, cultura, lazer, permanência estudantil, etc.), sobretudo daquelas pessoas mais carentes.

O administrador público que aposta no caos, joga à culpa em terceiros pelas suas responsabilidade atuais, que toma decisões que sabe que levará à desordem social é desprovido dessas 3 capacidades. Promove o caos para fugir da sua responsabilidade de administrar. E, nas vésperas de eleição, maquia seus erros, coopta pessoas, traveste-se de mister simpátia para ganhar e manter o ciclo da desordem em benefício próprio. Para usar o poder da sociedade para fins privados. Na realidade, tudo continua como sempre esteve! Contudo, a cidade de Marília e seu povo necessitam de muito mais. Necessita de bons projetos, de coisas novas, de uma postura proativa à frente do Executivo. E a fórmula da “Privataria Marilienses” é um equívoco total. Falhou no mundo inteiro.

Um Próspero Ano Novo para todos!

Marcelo Fernandes

1 Comentário

  1. Marcelo disse:

    EDITORIAL do Jornal da Manhã completa bem o raciocínio: http://www.jornaldamanhamarilia.com.br/noticia/21038/Prefeito-IPTU/
    Prefeito IPTU
    29/12/2013

    O prefeito Vinícius Camarinha (PSB) já está sendo chamado (entre outras coisas) de “prefeito IPTU”, tanta a insistência de aumentar o tributo, que já teve violento reajuste no final do ano passado para vigorar em 2.013, devidamente aprovado pela Câmara Municipal, que traiu a população. Agora, com mais um reajuste do valor venal (também aprovado pela maioria dos vereadores), o prefeito quer encher os cofres em 2.014. Mas, obras que são importantes, até agora nada! Por enquanto, Vinícius Camarinha só tem mesmo feito é chorar e lamentar (?) a situação financeira da Prefeitura Municipal, mesmo com a violenta arrecadação do IPTU, ISS, IPVA e tantos outros tributos. A cidade continua no abandono total e a população padece com mais de 30 graus de calor e sem água nas torneiras. Depois do protesto da semana passada na zona Norte, o pessoal de outras áreas da cidade está programando protesto em frente à casa do prefeito, com muitas bacias, panelas, caldeirões, tudo o que for possível para conseguir água. Socorro!!! Não seria falta de assessoria? Um político importante da cidade (não vamos citar o nome para não causar constrangimento) disse que o problema é a falta de assessoria competente do prefeito Vinícius Camarinha. Ele não aceita sugestões e nem admite que os “principais assessores” são incompetentes. Em outras administrações, os prefeitos eram assessorados no gabinete por engenheiros, advogados, economistas, gente de alto gabarito. Até o conserto que se fez no pontilhão da Avenida Santo Antonio foi um fracasso, faltando assessoria de engenharia e arquitetura. E foi preciso refazer, mas não se sabe se é confiável! Parece que caiu o nível da assessoria na administração municipal! O problema é que Vinícius passou um ano apenas reclamando de uma tal dívida milionária deixada pelo ex-prefeito Ticiano Toffoli. Mas nunca fala e nem gosta de comentar quanto a Prefeitura Municipal arrecada todos os meses com os impostos, principalmente o extorsivo IPTU. A situação é muito grave em vários setores da cidade, principalmente na saúde, onde faltam médicos em várias unidades básicas e muitos estão pedindo demissões por causa do baixo salário e também da falta de pagamento do aumento de abril deste ano. O mesmo tem acontecido com enfermeiras e outros servidores, que estão preferindo pedir aposentadoria ou mesmo demissão para não enfrentar a situação de descaso e abandono, além da pressão autoritária da Secretaria de Saúde. Afinal, é menos gente trabalhando para fazer o serviço e cobrir o “buraco” pela falta de servidores. Isso sem falar do fechamento pela Justiça do Trabalho na Unidade Básica de Saúde de Lácio, por falta de condições, com rachaduras perigosas que levaram a lacrar com cadeado na porta. E a pavimentação da cidade? Centenas de ruas no centro e periferia da cidade estão intransitáveis (quem utiliza a rua Mato Grosso, por exemplo, corre grande risco de ter acidente ou quebra do veículo), esburacadas e algumas delas já sem a pavimentação. E aí se pergunta? Não deu para fazer nada durante um ano todo? Só reclamar do ex-prefeito Ticiano Toffoli? E a dinheirama que entrou para os cofres públicos? Pois é prefeito, vai haver trabalho dobrado em 2.014!

Deixe um comentário

Copyright © Observatório da Gestão Pública. 2011. All Rights Reserved.