A Operação Lava Jato Chegou em Marília!

0
3

Em 23/01/2015 afirmei no meu Facebook que a Operação Lava Jato estava chegando em Marília. E perguntei como ela chegaria. Em 23/02/2015 disse que a investigação havia chegado na nossa cidade na forma de doação de uma pequena fortuna para um famoso político da cidade. A doação foi realizada por Alberto Youssef, o doleiro do Petrolão, Afirmei ainda que as revelações iam além e que a Lava Jato causaria danos financeiros para o erário público e, principalmente para a saúde da população e para os cofres das empresas marilienses, sobretudo para as exportadoras.

Em 31/03/2015 escrevi que “a Operação Lava Jato chegou em Marília por meio do pedido de recuperação judicial da OAS, a empresa responsável pela obra do esgoto”. E fiz uma séria de indagações: “Como anda a obra? É verdade que a OAS parou a obra? Se não, quando vai entregar? A população deveria ser esclarecida sobre essa questão pelo poder público para que seja tranquilizada sobre este assunto. Tipo assim, uma garantia: VOU ENTREGAR A OBRA ATÉ O FIM DO ANO!”. Nem Prefeito, nem secretários, muito menos presidente do DAEM tocaram no assunto. Apesar de terem a mídia toda a sua disposição, nenhuma palavra para tranquilizar a população sobre este assunto.

Em 08/06/2015, quase seis meses depois, “adiantando-se” a rumores de que em 05/06 a empreiteira OAS havia demitido seus funcionários e paralisado as obras do esgoto, a Prefeitura de Marília emitiu uma nota para o portal Visão Notícias, afirmando que a empresa não estava cumprindo o contrato, que as obras estavam atrasadas, que os recursos eram do PAC e os repasses não vinham sendo realizados. Ou seja, a Prefeitura de Marília não tinha culpa alguma, era mera vítima da OAS e do governo federal.

Entretanto, no mesmo dia, a OAS retrucou em nota oficial, sem lero-lero, que “as obras das bacias do Pombo e do Barbosa estão paralisadas devido ao atraso no repasse das verbas definidas por contrato para a realização dos serviços. A empresa está em busca da regularização e da equalização do caso com a Prefeitura Municipal de Marília, para a retomada dos trabalhos o mais rápido possível.” Fontes seguras de dentro do DAEM afirmam que a Prefeitura tinha os recursos, mas preferiu não pagar, sendo, portanto, responsável direta pela situação.

Para que isto? Quem ganha com esta situação? Quem trouxe a empresa para cá? Se teve propina no negócio, quem recebeu e quais os responsáveis para fiscalizar e averiguar? Quem manteve o negócio mesmo sabendo que seria prejudicial para a cidade e para o povo? Perguntas que esperam respostas dos responsáveis, ou seja, dos gestores públicos de antes e de agora, respectivamente Mario Bulgareli, Ticiano Tofoli e Vinicius Camarinha. Por acaso, todos eles políticos profissionais. Eu tenho apenas uma certeza: todos nós, população e empresas, só perdemos com a falta de esgoto tratado e água nas torneiras. Existe ganhador? Imagino que tenha, mas esta pergunta será respondida no próximo post.

Marcelo Fernandes 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite aqui seu nome